terça-feira, 28 de março de 2017

96.Candaal Hopi, velas artesanais de ouvido 100% cera de Abelhas.

                    (série de textos-mensagens sobre ervas medicinais e óleos essenciais)
4.Gengibre
Em inglês Ginger cujo nome botânico é  Zingiber officinale. É originário da Ásia e é muito cultivado nos Estados Unidos, na China, na Índia e em várias regiões tropicais especialmente no Brasil. O rizoma é desenterrado quando a planta atinge cerca de 10 meses de idade. Energeticamente, o Gengibre traz amor, proteção, coragem, autoconfiança, sabedoria, vitória e atrai as fadas para nossas casas.

É uma planta medicinal e tem uma longa história no uso culinário. Teve e tem uso muito intenso na Grécia e os romanos usavam-no para diversos fins. Por suas propriedades antiinflamatórias, os praticantes da medicina Ayurvédica usam-no há pelo menos 3.000 anos.
Na Jamaica ele foi usado na cerveja e hoje o Gengibre é disponível naturalmente como tônico digestivo. Ele é antináusea; antiespasmódico; antisséptico; antiinflamatório; antifúngico; analgésico; antitussivo, estimulantes circulatório; carminativo; expectorante; hipotensor; aumenta o fluxo de sangue topicamente para uma área ou vasos sanguíneos periféricos e é antitérmico.
Seus componentes  chaves são o óleo volátil, incluindo borneol e citral; fenóis, alcalóides; oleorresina, incluindo gingerol.

O Gengibre previne o enjôo, eleva a pressão arterial baixa, diminue o colesterol no sangue e previne contra a malária; shingella dysenterial; staphylococcus aureus; pseudomonas aeruginosa; cândida albicans; escherichia coli; klensiella pheumoniase; streptococcus spp e salmonella spp.
Thunna Burnama (Thunkásila Hehaka Phá)

terça-feira, 21 de março de 2017

95.Candaal Hopi, velas artesanais de ouvido 100% cera de Abelhas.

                       (Série de textos-mensagens sobre ervas medicinais e óleos essenciais)
3.Alfazema
Em Inglês Spike-lavender e em Lakota Šástaŋ. É uma espécie de lavanda conhecida como lavanda-menta-européia, cujo nome botânico é Lavandula spica. Usamos a Alfazema pura na confecção da Candaal Hopi de pura cera de Abelhas,  bem como associada à outros óleos essenciais e ervas medicinais cuja erva é extremamente usada pelos povos indígenas. O mundo inteiro a conhece como uma espécie de lavanda, mas no Brasil o nome ganhou terreno como Alfazema. O cheiro é penetrante e aromático, extremamente agradável, porém o gênero lavandula também inclui muitas outras espécies.
O uso terapêutico da Alfazema ganhou muita força em todo lugar e dá um grau de acentuada garantia aromática.
A Alfazema, como membro da família lavandula, é originária da região do Mediterrâneo, porém lavandas nativas são encontradas nas Ilhas Canárias, norte e oeste da África, sul da Europa, Arábia e Índia.
A Alfazema é muitíssimo popular contra a ansiedade e depressão. É um ansiolítico(que tira a ansiedade) leve usado como calmante e para distúrbios do sono. É indicada para abscessos, acne, amenorréia, artrite, asfixia, asma, bronquite, catarro, cefalalgia, congestão linfática, contusão, inchaço, depressão, dermatite, desmaio, dispepsia flatulenta, doença respiratória(asma,bronquite,gripe), dores intestinais, dores reumáticas, eczemas, enjôo, enxaqueca, epilepsia, espasmo, estômago, feridas, fígado, gases, fraqueza cardíaca, gota, gripe,limpa/amacia e acalma a pele, leucorréia(corrimento purulento), náuseas, nervosismo, neurose cardíaca, pediculose(piolho), perturbação gástrica, picada de insetos, problemas menstruais, pressão alta, problemas circulatórios, psoríase, queimaduras, sinusite, tensão nervosa, tosse e vertigem. É relaxante, anti-stress, regenerador da pele. Equilibra as energias, limpa, purifica e traz a paz e a harmonia espiritual.
Thunna Burnama (Thunkásila Hehaka Phá)



sábado, 18 de março de 2017

94.Candaal Hopi, velas artesanais de ouvido 100% cera de Abelhas.

                   (Série de textos-mensagens sobre ervas medicinais e óleos essenciais)
 2.Menta
Em Inglês Mint e em Lakota Čheyála. Seu nome botânico é Mentha piperita (hortelã pimenta). A família  Lamiaceae, da Menta, tem mais de 3.000 espécies,  incluindo o Poejo.
A origem da Menta é indígena e foi introduzida em todos os países em volta do mundo. Energeticamente, dissolve os padrões mentais que bloqueiam o entusiasmo e a alegria da Alma. Faz uma limpeza nos corpos mental e emocional, deixando a menta clara, alerta e revitalizada. Equilibra o Chacra da Coroa e do Plexo Solar.
Tem forte aroma e pode crescer até 30cm de altura e produzir folhas serrilhadas.Várias espécies crescem naturalmente em todo o mundo.
Os Astecas usavam-na  medicinalmente da mesma forma que é usada nos dias atuais. Nos Estados Unidos ela é usada como desodorante medicinal, para aromatização da casa e nas bebidas. Conjuntamente com a Sálvia ela é usada como expectorante e cura da tosse. É amplamente usada pelos Lakotas como chá e para tratar as dores de cabeça e descongestionante pulmonar.
O óleo essencial fabricado na Inglaterra, era vendido pelos caçadores e comerciantes às tribos abaixo citadas deste 1760, cujos descendentes usam-na como poderoso remédio e aromatizante natural: A Tribo dos Ottawas, dos Arikaras, dos Potawatamis, dos Kickapoos, dos Omahas, dos Chippewas e Pascagoulas. Os índios Arikaras, no Kansa, Estados Unidos, tinham por costume enterrar seus jovens com um pequeno frasco de óleo de Menta porque acreditavam que a pessoa a utilizaria no além-túmulo.
A Menta é antibacteriana, antiviral, antifúngica, antiparasitária, antiespasmódica, antináusea, analgésica, antisséptica, tônico digestivo, carminativa, alivia espasmos musculares, relaxa os vasos sanguíneos periféricos, estimula a secreção biliar e é anestésico tópico.

                                                                                     Continua...
Thunna Burnama (Thunkásila Heháka Phá)

quinta-feira, 16 de março de 2017

93.Candaal Hopi, Velas artesanais de ouvido 100% cera de abelhas.

                    (Série de textos-mensagens sobre ervas medicinais e óleos essenciais)

1.Equinácea.
Em Inglês Purple coneflower e em Lakota Úŋglakčapi. Seu nome botânico é Echinacea purpurea, mas tem vários nomes populares entre os indígenas americanos e canadenses, como, Black Sampson, Rudbecka, Sampson Root, Snakeroot, Indian Head, Kansas Snakeroot, etc., etc.

Usamos a Equinácea combinada com a Menta, que é outra potente erva medicinal amplamente utilizada pelos índios norte-americanos, especialmente os Lakota, e cujas minúsculas flores são muito apreciadas pelas abelhas.  Energeticamente, a Candaal Hopi de Equinácea e Menta, SEM parafina e SEM corantes artificiais,  desperta e fortalece o Guerreiro Interior,  ajudando a superar choques e traumas que enfraquecem o sistema imunológico,  resgatando a integridade da Alma, dissolvendo a auto-imagem negativa e letárgica, trazendo vitalidade, purificação, foco no aqui e agora, força criativa, a energia nutridora da Mãe-Terra e uma consciência amorosa e respeitosa por todas  as nossas relações na Teia-da-Vida. Equilibra os chacras do Coração, do Plexo Solar, da Raiz e da Estrela da Terra.
A Equinácea é uma planta perene de até 20cm de altura, nativa das planícies dos Estados Unidos e Canadá, amplamente cultivada por lá e muito especialmente na Europa. São 4 espécies de Echinacea, a angustifólia, a pallida, a purpúrea e a já extinta tennensiensis, mas devido ao pioneirismo indígena da Echinacea purpúrea, foi a mais amplamente estudada e testada por médicos e cientistas.

A Equinácea produz grandes e bonitas flores cobertas de pêlo e é facilmente encontrada em regiões secas, em áreas rochosas das grandes planícies, a leste das Montantas Rochosas e Saskatchewan no Canadá. Devido o seu grande poder na cura espiritual ela é altamente explorada para fins comerciais e daí surgir a sua proteção legal. As tribos  nativas  pioneiras de seu uso são os Lakotas, os Apaches, Os Kichapoo, os Pawnees, os Sioux, os Dakotas, Cheyenne, Choctaws, Delaware, Comanches, Crow, Omaha, Winnebago, Kiowa e  Hidatsas.

É um excelente antibiótico, antialérgico, bactericida, protetor de colágeno, tônico linfático, curador de feridas e estimulante de citocinas contra células tumorais e microorganismos. Seus componentes são: Inulina, óleo volátil, glicosídeos, flavonóides, derivados de ácido caféico, antibiótico, poliacetilenos, vitaminas e minerais(especialmente o cromo, o manganês, o ferro, a niacina, a riboflavina, o selênio e a vitamina C)
                                                                             Thunna Burnama

                                                                                                 Continua...
Thunna Burnama (Thunkásila Hehaka Phá)

quinta-feira, 9 de março de 2017

91.Os Espíritos Guardiões das Quatro Direções.

Mensagem do Grande Xamã Sun Bear, Chefe de Medicina da Tribo Ojibwa, Canadá.           

Há muito tempo atrás, quando os animais podiam falar uns com os outros e
com os humanos, quatro poderosos animais tiveram uma discussão.
Cada um deles, sentia que podia ser o melhor Chefe do Conselho dos Animais.
Isso causou mal estar geral no Conselho, onde o Urso, sempre havia sido o Chefe. O Urso tinha essa posição, porque era forte e tomava boas decisões com suas irmãs e irmãos.
Enquanto muitos animais sentiam que  o Urso deveria continuar Chefe, outros achavam que deveria haver um revezamento entre os candidatos.
Um dos quatro candidatos era o Búfalo. Disse o Búfalo:
 “Eu sou o mais forte e poderoso dos animais, eu me dou generosamente para todos os nossos irmãos e irmãs humanos, bem como para o Reino Animal. Eu mereço ser o Chefe, devido a minha pureza de propósito e habilidade em renovar todos aqueles que recebem os meus presentes.”
O outro concorrente era a Águia, e disse:
“Eu vôo mais alto do que qualquer uma das criaturas aladas. Vejo mais claramente. Vôo mais perto do Grande Espírito, do que qualquer um deste Conselho. Por causa da minha visão clara e sabedoria, desejo ser o Chefe do Conselho.”
O outro candidato era o Coiote, que disse:
“Eu sou o mais astucioso de todos os animais. Eu posso sobreviver em qualquer lugar. Tenho a habilidade para ensinar coisas a todos os que queiram ou não aprender. Por trazer o crescimento, eu desejo ser o Chefe.” Daí  o Urso disse:
“Eu tenho grande respeito por meus irmãos que querem ser chefe, mas vocês não têm motivos para me substituir. Eu os tenho atendido sempre bem. Eu sou forte e ainda tenho sido sempre bondoso em minhas decisões. Sempre penso muito antes de decidir qualquer coisa a respeito de vocês. Desejo continuar servindo-lhes como sempre fiz.”
Depois que os quatro poderosos animais terminaram suas falas, todos os outros animais tiveram a chance de falar respeitando o  Pau Falante, passado no círculo, que passa de um ao outro e todos devem ouvir.
Quando o Pau Falante, circulou por todos, ficou claro que os animais estavam divididos sobre quem deveria ser o Chefe. Não havia consenso. Todos sentiram-se mal, pois era a primeira vez que eles se desagregavam tão fortemente. Eles não sabiam o que fazer. Todos os quatro animais eram poderosos e tinham a Medicina que os qualificavam para serem Chefes.
De repente, os ventos começaram a soprar fortemente em todas as Direções, norte, sul, leste e oeste. Os animais tentavam passar algo para o Conselho na segunda rodada do Pau Falante, cada um tentava provar que o seu ponto de vista estava certo porque escolheram um dos animais como favorito, mas não conseguiam ser ouvidos devido ao forte som dos ventos.
Por fim, fez-se um grande silêncio e quando todos preparavam-se para passar novamente o Pau Falante, um dos Espíritos Professores apareceu no centro do círculo. Ele apareceu como um poderoso homem de meia-idade que chegou do Vento Oeste e falou fortemente:
“Eu sou Mudjekeewis, o Espírito Guardião do Oeste. Onde eu ando, o Vento Oeste me acompanha. Muito tempo, antes de vocês terem nascido, eu decidi que poderia ser o chefe dos Guardiões das Direções. Como vocês, Urso, Búfalo, Águia, Urso, Búfalo e Coiote, nós mantemos as Direções fortes. Nós somos crianças da mesma Mãe, e nós todos possuímos a força e sabedoria, específicos de cada um dos pais. Ao invés de brigar sobre quem é mais forte e quebrar a Lei da Unidade, nós decidimos, com ajuda da nossa Mãe, a nos responsabilizarmos por ¼ da Roda da Cura ou Medicinal. Então, podemos usar nossas forças separadamente da melhor forma possível.
Agindo assim, nós tornamos a Roda da Cura forte em todas as Direções e nos tornamos, em conjunto, mais fortes, por termos uma Direção definida para manifestar nossa força.
Eu fui escolhido pelo Grande UM, disse Mudjekeewis,  para intervir neste Conselho dos Animais e também ouvir vocês falarem. Por ter muitos anos de consenso, vim servir como elo de ligação. Isso porque nesta hora a Lei da Unidade entre os animais poderia ser quebrada se vocês brigassem. E não seria bom para as relações da Terra. O Grande Espírito não quer que isso aconteça. Então, cada um de vocês vai fundir o seu poder, com o poder de cada Direção. Desta forma suas forças também irão ajudar a fazer a Roda da Cura mais forte, e cada um terá uma Direção específica a seguir:
Urso! Você se fundirá comigo, Mudjekeewis, Espírito Guardião do Oeste,  porque como eu, você é forte e pensa bastante antes de falar. Comigo, seu pêlo será preto, como a noite com seus cabelos prateados para honrar as estrelas. Você permanecerá como Chefe do Conselho Animal, assim como eu sou o Chefe do Conselho dos Ventos.
Búfalo! Você se fundirá com o poder de Waboose,Espírito Guardião do Norte, assim compartilhará das qualidades de renovação e pureza. Quando você trabalhar com Waboose, seu pêlo será branco, como a cor das neves.
Águia! Você se fundirá com o poder de Wabun, Espírito Guardião do Leste. Com sua visão clara, ajudará a trazer consciência, sabedoria e iluminação. Quando você trabalhar com Wabun, você vestirá penas douradas, a cor do raiar do dia.
Coiote! Você se fundirá com, Shawnodese, Espírito Guardião do Sul. Com sua habilidade para ensinar e sobreviver, você ajudará a trazer crescimento e confiança aos seres da Terra. Quando você trabalhar com Shawnodese, seu pêlo terá a cor do Sol do meio-dia, que fertiliza a Terra.
Então, meus queridos e honrados amigos, sejam felizes agora com os Presentes de Poder do Grande Espírito, que foi dado a cada um de vocês.
Cada um deverá servir a Terra da melhor forma, na Direção que lhe está sendo dada pelo Grande Espírito e todos serão UM na união e poderão contribuir para a harmonia da Criação.
Isso é muito bom!!! 
Thunna Burnama(Thunkásila Hehaka Phá)

terça-feira, 28 de fevereiro de 2017

90.Miração ao Sol: a busca da telepatia, da clarividência, da cura e da inédia (que é alimentar-se de Luz)

Mirar o Sol é um ritual espiritual feito por muitas pessoas que buscam a telepatia, a clarividência, a cura de suas doenças e enfermidades e a inédia. A luz solar nos olhos, pouco depois do nascer e pouco antes do por do Sol, cuja ação dos raios violetas é mais baixa e sutil, é uma prática espiritual muito exclusiva para quem busca a sua elevação.
Deve ser praticada imediatamente após o nascer do Sol ou um pouco antes do por do Sol, para evitar qualquer problema nos olhos. Deve-se estar com os pés descalços em contato com a Mãe-Terra pisando a terra, a areia, a lama ou a grama. Comece mirando o Sol por apenas quinze (15) segundos durante os três (03) primeiros dias e depois desse tempo, sempre acrescente mais quinze (15) segundos à cada dia. Essa regra deve ser obedecida com rigor para segurança de seus olhos e garantia do alcance de suas buscas. Assim, pois, 15 segundos no primeiro, segundo e terceiros dias; 30 segundos no quarto dia; 45 segundos no quinto dia e assim sucessivamente.
É um ritual comum entre pessoas que desejam livrar-se das amarrações das crenças, das doutrinas religiosas, do ego e buscam sua ascensão à liberdade  espiritual com a telepatia, a clarividência, a cura e a inédia que é a capacidade de viver apenas da Luz. Trata-se de um ritual diário de 61 minutos/dia no oitavo  mês, que  depois desse tempo, basta estar sempre conectado com a Mãe-Terra (Uncí Makhá) com os pés descalços, andando na terra, na areia, na lama ou na grama  para aprofundar o processo. O andar pela mata, de pés desnudos, também ajuda o processo.
Esse Ritual é também conhecido por HRM, iniciais do nome de seu primeiro praticante branco e não indígena, chamado Hira Ratan Manek, que demonstrou em testes nos Estados Unidos, que a natureza do homem é a luz, razão porque  possui realmente habilidades super humanas. A inédia é a alimentação pela Luz, e Hira ficou vários meses sem alimentação sólida, alimentando-se apenas de água e da Luz Solar mantendo ótima saúde física e mental. Entretanto, é sabido por todos, que os índios Lakotas dos Estados Unidos, subiam às montanhas sem os mocassins (sapato sem saldo dos Peles-Vermelhas) num ritual espiritual e imploravam pela visão a Wakhán Thánka(o Grande Espírito)  e ficavam vários dias na montanha, sem alimentação sólida e água. O Sol é a Soberana Fonte Central da Luz Divina, do Poder e da Vida, que é a própria Vida, que dá vida e que mantém a vida.

Segundo aqueles que estudaram e tem usado esse ritual, ao mirar o Sol, pelos três (03) primeiros meses já alcançando vinte e três minutos e quinze segundos, (23min e  15 seg,) a energia espiritual do Sol se move através dos olhos e carrega a região do hipotálamo. A região do hipotálamo é o caminho para a parte traseira da retina que leva ao cérebro. O cérebro então, à margem de algum tempo, se ativa com a poderosíssima  energia que recebe do Sol. Sente-se no início, um grande alívio da tensão mental e da preocupação.  Como o alimento é um Deva que tem a  energia espiritual do Sol, a energia já está disponível para os “comedores de Sol” sem o problema da digestão. A fome vai realmente cessar com a prática, mas aconselha-se a continuar alimentando-se regularmente durante as fases iniciais até o apetite cessar naturalmente.

O grande aliado recebido nessa prática, é o enorme aumento da auto-confiança, da liberdade, da auto-estima, da capacidade de tomar decisões  e resolver os problemas por estar-se livre das tensões e das amarras carnais, bem como a cura das enfermidades e doenças além, é claro, de tornar-se um clarividente e telepata.

 

As más qualidades, como, raiva, ódio, síndrome do medo, culpa, ciúme, luxúria, vaidade, etc., etc., normalmente associadas a qualquer pessoa não espiritualizada, desaparecem gradualmente e permanecem apenas as boas qualidades espirituais. Aliás, há um enorme crescimento espiritual reafirmado pela auto-confiança, aumento da auto-estima e valor espiritual. É sabido que as más qualidades só se desenvolvem na ausência da Soberana Luz Solar, e por isso dizemos que “aonde há Luz não pode haver escuridão”.
Já após o terceiro mês de miração até aproximadamente o sexto mês, a prática tem mostrado que as doenças e enfermidades começam a desaparecer por completo, porque é completamente dissipados pela Luz. Quando alguém já alcançou a miração de 31 minutos/dia, que vai acontecer no quarto mês todas as cores do Sol alcançam o cérebro e trazem os seus enormes benefícios espirituais e físicos.

A ausência de determinada cor causa um certo desequilíbrio energético que advém a  doença, que é curada pela inundação dessa cor no corpo e no cérebro, que é chamada de cromoterapia. A doença hepática, por exemplo, é a deficiência da cor verde;  dos rins a deficiência é do vermelho, do pulmão, do laranja e do coração, do amarelo. Todos os órgãos e todos os sistemas respondem a diferentes cores do arco-íris, razão pela qual também é recomendado comer uma dieta rica em uma variedade de cores. Recomenda-se durante o período de três (03) a quatro (04) meses  usar a auto-sugestão vendo o seu corpo já curado de qualquer fraqueza ou doença. Esta ação facilitará o processo de retorno à totalidade.
À medida que você continua o processo, após 6 meses, alcançando a marca de 46 minutos,  a energia Solar armazenada a partir da técnica, não é mais usada para reparar o corpo ou a mente e vai ser usada agora para as habilidades espirituais super-humanas.
Mirando o Sol por 53 minutos e 30 segundos/dia após sete (07) meses, a necessidade e ensejo de alimentar-se serão bastante reduzidos. Na verdade, a comida não é realmente necessária para manutenção do corpo; apenas a energia Solar no “comer Sol” fornece toda a energia necessária. No 9º mês, mantendo a marca do oitavo mês que é de 61 minutos e 15  segundos,  desaparecem todo o gosto e anseios por qualquer alimento. O relato daqueles que chegam até os 9 meses, é que há uma mudança fantástica na forma como sentem o cérebro. É como se ele estivesse “super carregado”. Após os 9 meses de miração ao Sol, é aconselhável mudar a técnica voltando a  atenção maior agora, para a Terra. Isso significa andar descalço, diariamente, cerca de 45 minutos/dia na terra. Essa caminhada fará a glândula Pineal se descalcificar e se ativar para a visão.
Cada dedo do pé está conectado a uma glândula específica e caminhando descalço na terra, as glândulas se ativam. O dedão do pé está alinhado com a glândula pineal, o segundo dedo com a pituitária, em seguida o hipotálamo, tálamo e, finalmente o dedo mindinho com as amígdalas. Para recarregar você e seu cérebro ande descalço com o Sol sobre você, para criar uma espécie de campo magnético dentro e ao redor de seu corpo.
O andar descalço é um aspecto considerado muitíssimo importante nesse Ritual;  cria uma magia ímpar, e a glândula Pineal é cada vez mais ativada, ativando o intelecto e a memória. A Pineal é o Terceiro Olho, que significa visão e telepatia e uma enorme possibilidade de “vôo psíquico”. Mantendo uma caminhada descalço por 45 minutos/dia anualmente, você será considerado um “ser dourado” e daí basta manter a caminhada por quatro dias/semana para manter a capacidade espiritual adquirida. Em outras palavras, a conexão diária com a Mãe-Terra é a responsável pela sua ascensão espiritual.
Os oftalmologistas são contrários ao olhar diretamente para o Sol dizendo que danifica a retina. Entretanto, se respeitar o recomendado nesse Ritual, mirando o Sol nos dois momentos indicados, nascer e por do Sol, não haverá qualquer risco, absolutamente. Toda cerimônia espiritual, se feita sob critérios espirituais de respeito e obediência técnica, não causa qualquer problema, muito pelo contrário.
Fazendo diariamente 15 segundos de miração nos 3 primeiros dias  e aumentando 15 segundos por dia aos dias subseqüentes, a tabela de tempo de miração é a seguinte no prazo de oito (8) meses, respeitando os meses de 30, 31 dias e os 28 de fevereiro:
No 1º mês se atinge 7 minutos de miração;  no 2º mês,14 minutos e 45 segundos;  no 3º mês, 23 minutos e 15 segundos;  no 4º mês, 31 minutos;  no 5º mês, 38 minutos e 15 segundos;  no 6º mês, 46 minutos;  no 7º mês, 53 minutos e 30 segundos;  no 8º mês, 61 minutos e 15 segundos(1 h, 1 min e 15 seg); Evidentemente que há os dias chuvosos cujo Sol não aparece. 
Thunna Burnama (Thunkásila Hehaka Phá)