quinta-feira, 1 de dezembro de 2016

67.Cristianismo, a maior farsa do mundo. (3ª parte final)

                                                                                            (3ª parte, final)
Tudo o que Jesus diz é que depois da Era de Peixes chegará a Era de Aquarius. Agora, todos nós já ouvimos falar no “fim do mundo” deixando à parte o lado cartunista no livro de apocalipse, a espinha dorsal nesta idéia surge em Mateus 28,20, onde Jesus diz: “Eu estarei convosco até o fim dos séculos”.Contudo a tradução inglesa da bíblia, a palavra “mundo” está mal traduzida. A palavras realmente usada era “aiyon”que significa “Era” = “eu estarei convosco até o fim do mundo”, dos séculos em Português, o que no fundo é verdade, porque na Era de Aquarius “outro plágio” deverá se fazer. Jesus, como falsa personificação  Solar de Peixes irá acabar quando o Sol entrar na Era de Aquarius em 2.150 de nossa Era. Esse conceito de fim dos tempos e do fim do mundo, é uma má interpretação dessa alegoria astrológica.
Alguns milhões de brasileiros acreditam que o fim do mundo está próximo. Além disso, o personagem de Jesus, literalmente astrologicamente um híbrido, só demonstra o enorme plágio de Horus do Egito Jesus é. Aliás, todos que foram personificados o deus Sol, são enormes plágios, imitações e...um plágio mal feito.Por exemplo, escrito há 3.500 anos atrás, nas paredes do templo de Luxor, no Egito, estão imagens da  enunciação da concepção do nascimento e da oração ao holograma Horus. As imagens começam com o anúncio à virgem Isis e que ela iria gerar Horus que Nerfi, o espírito, irá engravidar Isis, a virgem, e depois o parto e a adoração, e que é não mais que falso milagre na concepção de Jesus dito na bíblia.
Na verdade, a semelhança entre Horus e Jesus são flagrantes. E o plágio, a imitação ao pé da letra, continua: A história de Noé e da sua arca é tirada diretamente das tradições. O conceito de dilúvio é presente em todas as antigas civilizações em mais de 200 diferentes citações em diferentes períodos e tempos. Contudo, não será preciso ir muito além da fonte pré-cristã para encontrar a epopéia de Gilgamesh escrita em 2.600 antes de Jesus. Essa história fala sobre grandes inundações ordenadas  por “deus”, uma arca com animais salvos e até mesmo o libertar ao retornar a pomba e muitas outras semelhanças. E depois há a história plagiada de Moisés, sobre o nascimento de Moisés. Disse que ele foi colocado numa cesta de cana e lançado ao rio para evitar o infanticídio. Ele foi mais tarde salvo pela filha de um rei e criado por ela como um príncipe. Essa historia do bebê Moisés numa cesta, foi retirada do mito de Sargão de Árcade por volta de 2.250 antes de Jesus. Depois de nascer Sargão foi posto numa cesta de rede para evitar o infanticídio e lançado ao rio. Foi depois salvo e criado por Akí, uma esposa da realeza Arcádia. Além disso, Moisés é conhecido como legislador, portador dos dez mandamentos e da lei Mosaica. Contudo, a idéia de um deus ser passada para um profeta numa montanha é também antiga e mal plagiada. Moises é somente um legislador numa enorme linha de legisladores na história mitologia. Na índia, Manou foi um grande legislador, na ilha de Creta Ninos ascendeu ao Monte Ida onde Zeus lhe deu as leis sagradas. Enquanto que no Egito, Moisés tinha nas suas pedras, tudo o que ‘deus” lhe disse. E no que diz respeito a esses dez mandamentos, foram retirados a papel químico do feitiço 125 do Livro dos Mortos do antigo Egito. Foi uma outra grande farsa. O que é que o Livro dos Mortos dizia: “Eu nunca roubei” tornou-se “Não roubarás”; “Eu nunca matei” tornou-se “Não matarás”; “Eu nunca menti” tornou-se “Não levantarás falsos testemunhos”; e aí por diante em enorme e inaceitável plágio.
A religião egípcia é o alicerce fundamental da religião judaico-cristã, que nada tem de originais, de verdade: batismo, vida após a morte, julgamento final, imaculada concepção, ressurreição, crucificação, a arca da aliança, circuncisão, salvadores, comunhão sagrada, dilúvio, páscoa, natal, a passagem e muitas outras coisas e atributos são ideais da religião egípcia nascido muito antes de inventarem o cristianismo ou judaísmo que sequer pensavam em em existir.

A bíblia nada mais é que um livro hibrido literário, tal como todos os livros de histórias criado no império romano por determinação energética da hierarquia reptiliana da falsa-luz e executado pelos gananciosos dos patriarcas da igreja. A diferença é que a bíblia é uma isca para induzir a humanidade, limitando-a , quando a humanidade é soberana e governada por ela mesma.
No antigo testamento, há a historia de José. Ele era um protótipo de Jesus. José nasceu de “um milagre”; Jesus nasceu de “um milagre”. José tinha doze irmãos; Jesus tinha doze discípulos. José foi vendido pó 20 pratas; Jesus foi vendido por 30 pratas. O irmão Judá sugere a venda e José, o discípulo Judas sugere a venda de Jesus. José começa os seus trabalhos aos 30; Jesus começa os seus aos 30 também. Os paralelismos continuam com enormes farsas. Além disso, haverá algum outro registro que não seja bíblico, da existência de mais alguém chamado Jesus, filho de Maria que viajou com doze seguidores e curou pessoas ? Existiram mais de 40 pessoas no Mediterrâneo nesse mesmo período e até mesmo da falsa morte desse Jesus. Quantos desses historiadores fizeram alguns relatos desse Jesus ? Nenhum! Não há, absolutamente, uma palavra sequer sobre esse Jesus, a não ser pela farsa gananciosa da igreja.
Portanto, caros leitores, Jesus jamais existiu. É um holograma, uma isca atirada à humanidade para colher grandes lucros, e os ganhos com suas pregações tem sido bilionários desde então. Há pastores levando vidas de verdadeiros reis , vivendo em mansões douradas como móveis dourados feitos sob medida iludindo os menos esclarecidos e “cobrando” um dízimo inexistente, espiritualmente.
Portanto O Cristianismo foi apenas uma das histórias romanas desenvolvida politicamente com o propósito de aliciar e oprimir a humanidade inteira,  porque Jesus jamais existiu em todo o Universo.
Foi sempre o poder político que procurou monopolizar o holograma de Jesus para controle social da humanidade.
Em 325 de nossa Era, em Roma, o imperador Constantino, criador da bíblia, reuniu o conselho ecumênico de Nicéia, e foi durante essa reunião que as doutrinas políticas, com motivação “cristã”, foram estabelecidas por determinação energética da hierarquia draco-reptiliana da falsa-luz. E assim começou uma longa história de derramamento de sangue e grandes fraudes espirituais. Era só mentiras, invenções e criações religiosas nos moldes políticos, que tinham valia e nos 1.600 anos que se seguiram, o Vaticano dominou politicamente com mão de ferro toda a Europa,vivendo em grande luxúria e o holocausto se deu início por todos os países europeus.O conhecimento e a educação, eram privilégios restrito da igreja. Foi um período onde somente a igreja tinha autoridade, poder e privilégios. Dai, deu-se início a “indústria da matança” dos inocentes que não aceitavam as mentiras criadas pelo império romano, extensivo aos patriarcas da igreja. Começa ai a “monarquia papal a custa de um holocausto sem fim que vem matando inocentes até os dias de hoje, como se não bastasse os milhares de assassinatos de inocentes durante a inquisição católica.
O Cristianismo bem como todas as crenças religiosas, são as fraudes que serviram para afastar os seres humanos do Caminho da Espiritualidade e um dos outros.
A crença religiosa veio sustentar a submissão cega do ser humano ao autoritarismo irresponsável da igreja sob a premissa de que “deus controla tudo” e que por sua vez os crimes mais terríveis podem ser  justificados em nome da perseguição divina. E o mais importante: dá o poder àqueles que sabem da verdade e usa o mito, a mentira, a hipocrisia, o engodo para se enriquecer, manipulando  e controlando as sociedades. O mito religioso é o mais poderoso engodo já criado e serve como base psicológica para que outros mitos e engodos floresçam ou justifiquem.

Fonte: /www.youtube.com/watch?v=BDZLONBnXM4 com adendos.
Thunna Burnama (Tȟuŋkášila Heȟáka Pȟá)







quarta-feira, 30 de novembro de 2016

66.Cristianismo, a maior farsa do mundo.(2ª parte de 3 partes)

                                                                                       (2ª parte de 3 partes)
Vamos aos esclarecimentos:
A seqüência do nascimento é completamente astrológica. A estrela no ocidente é Sírus, a mais brilhante no céu noturno que a cada 24 de dezembro se alinha com outras três estrelas brilhantes do Cinturão de Órion. Essas três estrelas são chamadas hoje como eram na antiguidade: Os três reis, três Marias no Brasil e Portugal.Os três reis e as estrelas mais brilhantes Sirius, todas apontam para o nascer do Sol em 25 de dezembro. Esta é a razão pela qual os três reis seguem a estrela a oeste numa ordem que aponta ao amanhecer; o nascimento do Sol.
A chamada “virgem Maria” é a Constelação de Virgo que é conhecida como Virgo, a virgem em Latim. Virgo é conhecida também como a Casa do Pão e a representação de Virgo é uma virgem segurando um feixe de espiga de trigo. Essa Casa do Pão e o seu símbolo de espigas de trigo, representam agosto e setembro, a época das colheitas. Por sua vez, Belém é a tradução ao pé da letra de “a Casa do Pão”. Belém também referencia a constelação de Virgem, um lugar no céu, não na Terra.
Existe outro fenômeno muito interessante que ocorre em 25 de dezembro, é o solstício de inverno. Do solstício de verão ao solstício de inverno, os dias se tornam mais curtos e frios. Da perspectiva de quem está no hemisfério norte, o Sol parece se mover para o sul e fica menor e mais fraco. O encurtamento dos dias e o fim das colheitas conforme se aproxima o solstício de inverno simbolizando o processo de morte; era a morte do Sol. Pelo vigésimo segundo dia de dezembro o falecimento estava completamente realizado e faz com que atinja seu ponto mais baixo no céu. Aqui, algo curioso acontece: o Sol para de se mover por três dias. Durante esses três dias o Sol fica pelas redondezas da Constelação do Cruzeiro do Sul ou Alpha Crusis. Depois desse período, em 25 de dezembro o Sol se move 1º(um grau), dessa vez para o norte, trazendo perspectiva de dias maiores, mais calor e a primavera. E assim se diz “o Sol morreu na cruz”, ficou morto por três dias apenas, para ressuscitar ou nascer mais uma vez. Essa é a razão pela qual “Jesus” e muitos outros mitos holográficos Solares, como Horus; Krishna; Attis; Adonis da Grécia; Ischy de Taiwan antiga Formosa; Adad da Assíria; Baal, da Feníncia; Buda, da Índia; Alcides, de Teba,etc., etc.,etc., compartilham da idéia de crucificação, morte por três dias e o conceito da ressurreição. É o período de transição do Sol antes de mudar para a direção contrária no hemisfério norte, trazendo a primavera e assim a “salvação”. Todavia, eles não celebram a ressurreição do Sol até o equinócio da primavera ou páscoa. Isso é porque no equinócio da primavera o Sol domina oficialmente o mal, as trevas, assim como o período diurno se torna maior que o noturno, e o revitalizar da vida na primavera emerge.
Agora provavelmente a analogia mais óbvia de todos nesse simbolismo astrológico são os doze discípulos de Jesus. Eles são simplesmente as doze constelações do zodíaco com que Jesus, “sendo” o Sol, viaja. De fato o número doze está sempre presente ao longo da bíblia criada pelo imperador Constantino e seus políticos no império romano. Doze discípulos=doze constelações; doze tribos de Israel=doze filhos de Jacob; doze juizes de Israel=doze Patriarcas; doze profetas=doze reis de Israel, doze príncipes de Israel.
Na cruz do zodíaco, o elemento figurativo da vida é sempre o Soberano Sol. Isso não é uma mera representação artística ou ferramenta para seguir os movimentos do Sol, era também um grande símbolo espiritual pagão, uma logografia similar a isso. Isso não é um símbolo “cristão” do “Cristianismo”, é uma adaptação pagã da cruz do zodíaco.(a cruz cristã tal como é hoje, foi usada no império romano para supliciar e sacrificar o condenado por qualquer motivo. E é também  muito importante lembrar aqui, que “pagão” não é um termo pejorativo como quer a igreja referir-se, mas aquele que não se batizou e não aceita as imposições da igreja). Esta é a razão porque Jesus foi sempre mostrado na cruz. Ele é o holograma do Sol, “filho unigênito de deus”, o salvador a erguer-se e que renascerá, assim como o Sol faz todas as manhãs. (Importante ressaltar aqui, mais uma vez, o grande plágio religioso, pois que “unigênito” significa “filho único”). Mas muitas referências astrológicas ou astronômicas na bíblia, uma das mais importantes, tem a ver com o conceito de Eras, através da bíblia há inúmeras referencias a essa “Era”. Para compreender a grande farsa que vem iludindo a humanidade, precisamos entender primeiro e estar familiarizado com o fenômeno da precessão dos equinócios. Os antigos egípcios assim como outras culturas, muito antes deles, reconheceram que aproximadamente de 2.150 em 2.150 anos, o nascer do Sol durante o equinócio de primavera ocorria num diferente signo do zodíaco. Isso tem a ver com a lenta oscilação angular que a Terra tem quando roda sobre o seu eixo. É chamado de precessão, porque as constelações vão para trás em vez de permanecerem no seu ciclo anual normal. O tempo que demora cada precessão através dos doze signos é de 25.765 anos. Esse ciclo completo é chamado também de “Grande Ano” e algumas civilizações ancestrais sabiam disso. Referiam-se a cada ciclo de 2.150 anos como “Era”. De 4.300 antes de Jesus à 2.150 antes de Jesus, foi a Era de Touro. De 2.150 antes de Jesus a 1 depois de Jesus, foi a Era de Áries e de 1 depois de Jesus a 2,150 depois de  Jesus é a Era de Peixes, que é a Era que estamos nos dias atuais. E por volta de 2.150 de nossa Era, já estaremos na Nova Era, a Era de Aquarius cujo Jesus já não mais será falado. Já se falam num novo holograma: Saint Germain. A bíblia, criada por Constantino e seus políticos, refere-se por alto ao movimento simbólico durante três Eras, quando se deslumbra, já é uma quarta. No velho testamento, quando Moisés desce o Monte Sinai com os dez mandamentos ele está perturbado ao ver sua gente adorar um bezerro dourado. De fato ele até partiu as pedras dos dez  mandamentos e disse a todos para se matarem uns aos outros para purgarem o “mal”. A ira de Moisés é atribuída ao fato de os israelitas estarem adorando um falso ídolo ou algo semelhante. A realidade é que o bezerro dourado é Taurus, touro, e Moisés representa a nova era de Áries. Essa é a razão pela qual os judeus ainda assopram com o chifre do carneiro. Moisés representa a nova era de Áries e perante essa, todos tem de largar a “velha”. Outras “divindades holográficas” tais como Mitra, Maria, essa tradição também. Um “deus’ pré-cristão que mata o Touro na mesma linha simbólica. Agora Jesus é a figura holográfica portadora da Era seguinte a de Aires que é a Era de peixes.
O simbolismo de peixes é abundante no novo testamento. Assim, como Jesus “alimenta cinco mil pessoas com um pão e dois peixes”.No início de seu ministério, enquanto caminhava ao longo da Galiléia conhece dois pescadores que o seguem.Agora, reflita-se voltar a ver um alevita em formato de peixes escrito Jesus  nas traseiras dos carros.Poucos sabem o que aquilo, no fundo, representa. É um simbolismo astrológico pagão para o reinado do Sol durante a Era de Peixes. Jesus assumiu também que a data de seu nascimento é também a data do início desta Era. Em Lucas 22:10 quando Jesus “é questionado” se a próxima passagem será depois dele ir-se embora, ele responde: “Heis que quando entrardes na cidade, encontrareis um homem levando um cântaro de água; segui-o até a casa que ele entrar.”  Essa escritura é de longe a mais reveladora de todas as referências astrológicas. O homem que leva o cântaro de água é Aquarius, o portador da água, que é sempre representado por um homem despejando uma porção de água. Ele representa a Era depois de Peixes, que é Aquarius, e quando o Sol, filho de deus sair da Era de Peixes, Jesus entrará na casa de Aquarius, e Aquarius é antes de Peixes na precessão dos Equinócios.

Fonte:   Fonte: /www.youtube.com/watch?v=BDZLONBnXM4 com adendos.
Thunna Burnama (Tȟuŋkášila Heȟáka Pȟá)





terça-feira, 29 de novembro de 2016

65.Cristianismo, a maior farsa do mundo(1ª parte de 3 partes)

                                                                                                (1ª parte de 3 partes)
 É simples entender porque todas as manhãs reflete a preciosa iluminação, energia e vida da Grande Deidade Solar, porque sem essa deidade que é a Luz do Mundo, jamais existiria vida no Universo.
O Sol é a Deidade responsável por toda existência da Terra e a manutenção da vida de todos os seres vivos; e como TUDO sobre e sob a Terra é Ser Vivo não há vida possível sem a Deidade Solar.Sem ele, todas as culturas perceberam que não haveria alimento algum ou qualquer colheita no planeta. Essas realidades, sem falar na Energia Poderosa da Criação, colocaram o Sol no seu pedestal como Deidade Absoluta da Luz e da Existência da Vida. É o Ser-Astro que dá vida à toda a vida, a todos os demais seres-astros, porquanto é o ser mais adorado de todos.
A Cruz do Zodíaco é a mais antiga imagem na história de toda a humanidade terrena. Representa o trajeto do Divino Rei Sol através das doze maiores constelações no decorrer de 365 dias.Ela também representa os doze meses do ano, as quatro estações, solstícios e equinócios.O termo zodíaco está relacionado com o fato das constelações serem antroporformistas, isto é, personificações e animais.
Os povos das primeiras civilizações não só seguiram e se encantavam com o Sol e as Estrelas, mas também as personificavam através de mitos que envolviam os seus movimentos e relações. O Sol, com o seu Poderoso Poder de Dar a Vida e Salvar, foi personificado como o Criador, a Deidade Única e Absoluta, a Luz Divina que dá vida à todas as vidas, o Salvador e o único Mantenedor de toda a Humanidade.
1.Horus foi a personificação do Deus-Sol do Egito em 3.000 antes de nossa Era. Foi  o Sol antropoformizado naquela época.Através dos hieróglifos criados pelo deus Thoth, conhece-se muito sobre essa Deidade Solar. Assim, Horus como o Sol, tinha como inimigo o deus Set que era a personificação das trevas ou da morte. Falando metaforicamente, todas as manhãs Horus(o Sol) ganhava a batalha contra Set(trevas, morte) e no fim da tarde, Set(trevas,morte) conquistava Horus(Sol) e o enviava para o mundo das trevas. É importante frisar que a Luz versus trevas e bem versus mal, tem sido uma dualidade mitológica unipresente que ainda hoje é usada amplamente.

A lenda do holograma Horus é a seguinte:  Horus nasceu a 25 de dezembro da virgem Irismary; o seu nascimento foi acompanhado por uma estrela do oeste que por sua vez, foi seguida por três reis em busca de seu “salvador” recém-nascido. Aos doze anos era uma criança prodígio nos ensinamentos e aos trinta anos, ele foi “batizado” por uma figura conhecida por Anubis. E assim começou o seu ministério.
Ele, Horus, teve doze discípulos que viajavam sempre com ele para curar os enfermos e andar sobre as águas. Horus ficou conhecido por vários nomes, como, a Verdade, a Luz, o Cordeiro, o “filho unigênito”,etc., etc. Depois de ter sido traído por Tifão, Horus foi crucificado e sepultado por três dias e então ressuscitou.
Esse atributos holográficos e mitológicos de Horus influenciaram várias culturas mundiais e muitos “deuses” foram holografados  com a mesma “historinha mitológica”.Veja a seguir até Jesus, outra figura holográfica.

2.A lenda do holograma Attis é a seguinte: Attis  nasceu de uma virgem em 25 de dezembro.Crucificado foi posto na tumba e depois de três dias ressuscitou.Tudo se repete exata e mitologicamente  como a Horus.
                              
3.A lenda do holograma  Krishna é a seguinte: Krishna nasceu em 900 antes  de nossa Era. Foi alimentado por uma vaca e com uma estrela no ocidente assinalando a sua chegada. Teve discípulos e após a morte ressuscitou. Tudo se repete exata e mitologicamente  como Horus e Attis.

4.A lenda do holograma  Dionysus da Grécia  é a seguinte: Dionysus nasceu em 500 antes de nossa Era de uma virgem, aos 25 de dezembro. Foi um professor peregrino que transformava a água em vinho e foi reverenciado como rei dos reis, “filho unigênito de deus”, o Alfa e o Ômega entre outros. Após sua morte ressuscitou. Tudo se repete exata e mitologicamente como a Horus, a Attis e a Krishna.

5.A lenda do holograma  Mitra da Pérsia é a seguinte: Mitra nasceu em 1.300 antes de nossa Era. Nasceu de uma virgem aos 25 de dezembro. Teve doze discípulos. Após sua morte foi sepultado e depois de três dias ressuscitou. Tudo se repete exata e mitologicamente  como a Horus, Attis, Krishna, Dionysus.

Foram criados inúmeras lendas holográficas em diferentes períodos em diversos lugares da Terra que tinham as mesmas características que o império romano copiou para criar Jesus por “ordem” da hierarquia reptiliana da falsa-luz.  A lista chega a uns quarenta ou um pouco mais, mas simplificamos os constantes neste texto-mensagem.  Muitos existiram na mesma época do outro, quer-se dizer, que havia dois, três ou mais “filhos unigênitos de ‘deus” um em cada lugar ao mesmo tempo.

Por quê, mitologicamente, foram dados esses “atributos” ? Por que todos “nasceram” a 25 de dezembro ? Por que todos “morreram” e depois “ressuscitaram” ? Por que os doze “discípulos ou seguidores” ?
Vamos conferir com a mais recente lenda holográfica criada : Jesus.

6.A lenda do holograma de Jesus de Belém é a seguinte: Jesus  nasceu a 25 de dezembro em Belém, o nascimento “foi anunciado” por um estrela que “foi seguida” por três reis que iriam encontrá-lo e adorar o “novo salvador”. Tornou-se pregador aos doze anos e aos trinta “foi batizado” por João Batista e então iniciou o seu “ministério”. Teve doze discípulos que viajavam com ele e praticavam “milagres” curando doentes e “andava” sobre as águas e “ressuscitava” os mortos. Ele também “foi o filho unigênito de deus”, o “Alfa e o Ômega” e inúmeros outros títulos. Foi traído  pelo discípulo Judas por trinta moedas de prata; foi crucificado, posto numa tumba e após três dias ressuscitou e “subiu aos céu”. Tudo se repete exata e mitologicamente como a Horus, Attis, Krishna, Dionysus, Mitra...

Fonte: Fonte: /www.youtube.com/watch?v=BDZLONBnXM4 com adendos.
Thunna Burnama (Tȟuŋkášila Heȟáka Pȟá)



quinta-feira, 24 de novembro de 2016

64.Sodoma e Gomorra

                                                                       Informação consciente é Luz Divina !
A verdade sobre a destruição de Sodoma e Gomorra, não vem debilitar ou diminuir os Poderes de Iluminação da Soberana Fonte da Luz, do Poder e da Vida; muito pelo contrário, ela vem fortalecê-la ainda mais por mostrar as inverdades e impostura da igreja, que tem  há milênios, limitado, oprimido e dominado o Povo da Terra. A religião inseriu as iscas como a culpa, o pecado, o medo, o inferno, o dízimo, o sexo como sujo, os ociosos pregadores de crenças mostrando um “deus” ausente, julgador e condenador de todos os seres vivos.  Somos Luz Divina, soberanos e iluminados pela Deidade Atuante e Presente, que é a Soberana Fonte da Luz, do Poder e da Vida. Nada devemos e não somos culpados de coisa alguma, porque a nossa natureza é a Luz Divina por sermos seres Espirituais Multidimensionais, eternos caminheiros cósmicos. Nós nos governamos por nós mesmos e conhecemos muito bem o nosso Caminho por trazê-lo em nosso interior e não precisamos, absolutamente, de engodos religiosos e pregadores  cruzando o nosso Caminho.

Somos sempre advertidos pelo “sentir” sobre as artimanhas e ciladas da religião, suas doutrinas e seus pregadores, cuja advertência nos aponta para a importância de caminhar  sempre com o Pensamento Esférico, buscando a ascensão espiritual na Soberana Fonte da Luz, bloqueando, de vez, o Pensamento Linear que  busca a ambição e induz o povo à insensatez e ao medo para consumi-lo.

Nada, absolutamente nada houve de sobrenatural ou “castigo divino” como prega a religião, nesse evento milenar no ano 3.123 antes de nossa Era(calendário Juliano),em Sodoma e Gomorra, senão um acontecimento astrofísico, natural, com a queda de um gigantesco asteróide sobre aquela região rica em enxofre.
Esse ano 3.123 antes de nossa Era, é da Era de Touro – de 4.300 antes de nossa Era à 2.150 antes de nossa Era,  cuja deidade holográfica da hierarquia da falsa-luz foi Krishna.
Não há milagres mas Poderes na Soberana Fonte da Luz, do Poder e da Vida,  de onde tudo deriva e provém e qualquer Ser Servidor da Fonte da Luz, dispõe dessa Fonte de Luz Curadora, mas nunca destruidora.  As destruições acontecidas nos tempos idos, narradas  pelos escritos religiosos como “destruição Divina”, é um outro dos seus inúmeros engodos  para amedrontar os povos e tê-los a seus pés. A Soberana Fonte não é julgadora e sequer destruidora. Ainda na nossa Era, todos os engodos da igreja deverão ser desmentidos naturalmente no caminhar do  tempo, entretanto a Nova Era ainda marcará uma existência de crenças religiosas e doutrinária mas com fortíssimo cepticismo da maioria que estará na Quinta Dimensão.

Em verdade, estamos nos prelúdios da verdadeira Nova Era que se instalará no ano 2.150, daqui há 134 anos lineares. Os prelúdios tem como praxe começarem-se uns cem ou mais anos antes da instalação da próxima Era, porque as alterações geológicas e o eixo da Terra não se deslocam de uma vez, mas vagarosamente podendo levar anos lineares à fio. De forma que em 2.150, o eixo da Terra já estará todo deslocado e a verdadeira Nova Era  já instalada no planeta, que será a Era de Aquarius com outra deidade holográfica da hierarquia da  falsa-luz que já mostra ser Saint Germain  e não mais Jesus.

A Tabuleta Suméria de argila (abaixo), datada de 700 antes de nossa Era, fala, em uma de suas metades, da trajetória de um asteróide de mais de 1km de diâmetro que caiu em Sodoma e Gomorra, rica região  de enxofre. A Tabuleta foi descoberta em Nínive, capital do Império Assírio, por Sir Henry Layard em meados do séc. XIX e está no British Museum em Londres para quem quiser vê-la.
Por volta de 612 antes de nossa Era, Nínive foi arrasadamente destruída pelos Caldeus e Medos e suas ruínas arqueológicas, ou o que pouco restou, só foi encontrada no séc. 19 de nossa Era.O império acádio semita ficava na região do alto Rio Tigre, na Mesopotâmia (atual Iraque).


Milagres, bem como anjos, arcanjos, santos, filho unigênito, medo, pecado, inferno, sexo como sujo e “pecador”, batismo...são engodos da igreja, para iludir os mal-informados que não se aprontaram ainda para a Espiritualidade Superior.

A Luz Divina NUNCA destrói e não é julgadora; porque seus raios iluminados não permitem a escuridão ou destruição, mas Amor Universal. A Alma encarnada é soberana e a Soberana Fonte   da Luz jamais intervém nas suas experiências existenciais.

Um asteróide formando uma enorme bola de fogo correu pelo chão devastando o que se encontrava pela frente, devido a força da energia supersônica, e logo se chocou contra terra  destruindo  totalmente Sodoma e Gomorra.
Thunna Burnama (Tȟuŋkášila Heȟáka Pȟá)

terça-feira, 22 de novembro de 2016

63.O Dilúvio como realmente foi.

É até mesmo humorístico fazer qualquer observação, que se possa dizer-se verdade sobre o Dilúvio nos moldes relatado pela igreja como “castigo Divino”; sem falar do Continente Atlantis, suas ilhas e colônias.  
Na realidade não há muito para se comentar sobre o tema por ter sido um evento cósmico natural que acontece a cada ciclo de 2.150 anos lineares chamado de “Era” e nada, absolutamente, tem a ver com “castigo divino”. Esse acontecimento pode ser mais ou menos acentuado em resposta ao que o homem tem feito com a natureza.
Todos os planetas são Seres Vivos, que, “se limpam” das energias negativas, como ódio, guerras, corrupção, ganância, abuso de poder, destruição da natureza, crenças religiosas e suas doutrinas, trazendo a mudança de pólo, terremotos, tsunamis, enchentes, desastres, tufões, dilúvios...
Com a terrível catastrófica pulverização energética de Atlantis que a tirou dos mapas de vez, alguns Atlanteanos conseguiram se salvar em suas máquinas temporais e naves espaciais, devido a sua superioridade espiritual e domínio tecnológico, mas o enorme desastre causou uma terrível Mudança de Pólo no planeta que incitou um gigantesco dilúvio varrendo tudo que se encontrava pela frente.Como sempre, a igreja, ardilosa e hipocritamente o fez parecer aos habitantes da Terra como se fosse um “castigo divino”, para colocar em prática o seu plano de limitação, opressão e domínio do homem, amedrontando-o com a “invenção do pecado, do inferno e do engodo do dízimo”, para a lucrativa super venda de indulgências em sintonia com a ganância.
Muitos Atlanteanos  escaparam para as suas colônias, como o Egito, o Amazonas, a Grécia... levando ensinamentos.
Anos mais tarde, os Atlanteanos e outros extraterrestres como os Lemurianos, por exemplo, retornaram às outras partes da Terra, onde iniciaram o repasse de seus conhecimentos. Razão porque outras culturas como a grega, a egípcia, por exemplo, aprenderam, repentinamente, a astronomia, a medicina, a matemática, a agricultura...Daí, graças aos ensinamentos avançados e superioridade espiritual desses extraterrestres, algumas regiões da Terra tiveram grandes avanços tecnológicos e curas de suas doenças.
Surgiram então as pirâmides construídas com a energia da levitação cujos extraterrestres a dominava, e tudo se desenvolvia com o uso correto da tecnologia energética, sem abusos.
O abuso de poder, uso indevido da energia e arrogância do Povo Atlanteano que começou a  aparecer entre eles  já bem no final de sua civilização, está se repetindo na Terra com muito mais agravantes, mas em escala diferenciada. Há muito abuso do uso do subsolo, das fontes d’água e mananciais, construção de usinas hidrelétricas em regiões indevidas, desmatamento, agrotóxicos, abuso do poder, energias negativas das religiões e seus engodos  doutrinários, ganância, violência, arrogância, hipocrisia, corrupção...
É oportuno salientar, que a Terra de agora não detém o controle tecnológico das máquinas temporais  e das naves espaciais que Atlantis detinha, para uma  fuga para outros planetas. E a Terra  sequer é um planeta adulto e espiritual, o que a coloca  numa situação muito delicada, agravada com a hipocrisia das religiões e da corrupção o que não existiam em Atlantis, mas mesmo assim a civilização foi destruída violentamente.
Pensamentos e emoções são energias que criam a sua realidade de vida e a do planeta, e sem a conservação da Mãe-Natureza e o  Amor Incondicional do Povo da Terra, tudo é muito possível acontecer nesta Transição Solar que estamos. A ganância política, a fome de domínio e o fanatismo  religioso  - geradores de grandes conflitos  -   tem em massa, destruído a paz mundial e matado a muitos inocentes no outro lado do mundo, o que formata  uma situação por demais delicada para o planeta.

As religiões com suas igrejas, seus escritos e pregadores, são elementos hostis criados pelos patriarcas da religião, induzidos pela ganância da hierarquia draco-reptiliana da falsa-luz ,  para manipular, controlar e debilitar a capacidade individual e coletiva da raça humana ao longo do tempo, e que vem legitimar a anarquia, seus assassinatos, o racismo, o preconceito à sexualidade e à homofobia.
Thunna Burnama (Tȟuŋkášila Heȟáka Pȟá)

                                                                                                         

             

sábado, 19 de novembro de 2016

62.Os pregadores querem "nos salvar" de que ?

“Eles vieram com um livro chamado bíblia nas mãos e a religião deles. Roubaram as nossas terras, esmagaram as nossas Almas e agora nos diga se devemos ser “gratos” ao deus deles por termos sido “salvos”. (Chefe Pontiac da Tribo Ottawa, Canadá)

“Salvação” ???  que palavra é essa sem qualquer conotação espiritual, usada pelos pregadores de um livro doutrinário criado pela ambição do homem durante o império romano? Já somos salvos pelo Sopro da Vida Eterna e a nossa “volta ao Lar Divino” já foi, desde a nossa criação, garantida pela Soberana Fonte Infinita da Luz, do Poder e da Vida!
Somos Luz Divina e portanto, Soberanos, Iluminados pela Fonte e nos governamos por nós mesmos e... conhecemos o nosso Caminho.

Estamos encarnados na Terra pela livre escolha de nossa própria ALMA. Ela é totalmente livre e liberta, entretanto, o “astuto-mentiroso” também chamado de “o maquiavélico Demiurgo”, invade a sua Luz na hora da sua  morte com os “ardilosos criadores do carma”, para induzi-lo à uma reencarnação mentirosa e “preparada” por eles, onde você terá sofrimento e uma vida atribulada. Eles roubam “a sua Consciência Divina”.
Essa hierarquia draco-reptiliana da falsa-Luz, vem induzindo os humanos da Terra desde o início da formação do planeta; querem dominá-los com vãs mentira, iscas encarnatórias e opressão.Assim, o quanto mais cedo você SENTIR-SE  pronto para se desligar das crenças religiosas e doutrinas, mais rapidamente você recuperará a sua Consciência Divina.
Lembre-se que você é Luz Divina, Ser soberano que se governa por si mesmo sob a iluminação da Soberana Fonte da Luz, do Poder e da Vida.
Convido-lhe a ler uma série de 11 textos-mensagens, do  1º  ao 11º texto-mensagem denominado “Reencarnação Inconsciente”, onde o texto-mensagem nº 5 é um modelo de “revogação dos acordos feitos inconscientemente com essa hierarquia mentirosa”. Mas comece do primeiro para que você possa ter total entendimento do  tema.

A Luz não interfere na sua escolha, na sua decisão, porque cada um se apronta para a recuperação de sua Consciência Divina na sua hora, no seu momento.

A igreja e seus pregadores atrai com engodo, induz os seres humanos “menos informados”  com promessas vãs e mentiras, levando-os  ao medo usando iscas como: “salvação, culpa, pecado, inferno, sexo, dízimo...” para limitá-los, oprimi-los e dominá-los.
Querem o seu dinheiro  e a sua servidão !
A “hierarquia mentirosa da falsa-luz”, está sempre atuante na religião com seus escritos e doutrinas ardilosas para invadir a sua soberania e sugar a sua energia.
Thunna Burnama (Tȟuŋkášila Heȟáka Pȟá)



domingo, 13 de novembro de 2016

61.Reverência à Deidade Solar, o Senhor da Vida.

                                                                                                (Thunna Burnama)

Divina Luz do Mundo, Mestre da Criação e Senhor da Vida. Vós sois a Energia da nossa vida, o nosso Divino Sol Interior.
Iluminai-nos com a vossa Essência Universal e com a Gênese do Todo. 
Com vasta dimensão de amor do nosso coração, somos agradecidos a Vós pela Vossa Luz Cintilante, Calor, Beleza, Aconchego, Vida e Manutenção de nossa existência. Vós sois o Pai de todas as gerações, a Energia Vital  e Essencial da Consciência. Reverenciamos a Vós com a força divina de nosso amor incondicional por serdes a Energia Sustentadora de Toda a Vida. Sem vós, Poderosa Luz Viva,  não haveria existência alguma.
Que os nosso  Divino Sol Interior, cintile como o Vosso numa só energia para co-habitar Convosco no Universo, ó Magnífico.
Glorificamos e honramos a Vossa Essência Divina!
Mostrai-nos com a visão de Vossos Raios de Esplendor e Energia, o Caminho do Ser e não do Ter para o resgate de nossa Consciência Divina e que possamos, dispositivamente, cumprir os propósitos reais de nossa missão na Terra.
A Vossa Luz nos ensina a ser todos UM na Teia da Vida, Poderoso Senhor da Vida !
Resplandeça em nós a Vossa Energia de Vida para que, dignamente, possamos trilhar o Caminho de Vossa Luz.
Que os Vossos Raios de Calor e Força Divinas resplandeçam em nós para sermos tão fortes, justos  e incondicionais em nosso amor como Vós sois, concedendo a vida ao Todo, incondicionalmente.
Ó Sapientíssimo Pai-Sol Senhor e Mantenedor da Vida , nos supre com Vossa Consciência Divina, com  a prosperidade espiritual, alimentadora e financeira e indica-nos a nossa missão diante de Vós para que a cumpramos com dignidade, justiça  e amor.
Que a Vossa Energia esteja em nós, poderosamente, para dissipar  as nossas fraquezas e queixumes e curar os nossos vícios, arrogância, enfermidades  e doenças trazendo-nos ascensão ao Vosso Reino cheio de Graça, Energia e de Beleza Natural.
Vós sois a Luz do Mundo e não há outra Luz senão a Vossa!
Vós sois, Divino Pai, o Senhor, a Soberana Fonte da Luz, do Poder e da Vida !!!
Thunna Burnama (Tȟuŋkášila Heȟáka Pȟá)